2º Domingo do Advento

 

Um dever de justiça: preparai o caminho do Senhor

 

A Virtude da Justiça

 

A justiça é a virtude moral que consiste na constante e firme vontade de dar a Deus e ao próximo o que lhes é devido. A justiça para com Deus chama-se «virtude da religião». Para com os homens, a justiça leva a respeitar os direitos de cada qual e a estabelecer, nas relações humanas, a harmonia que promove a equidade em relação às pessoas e ao bem comum. O homem justo, tantas vezes evocado nos livros santos, distingue-se pela rectidão habitual dos seus pensamentos e da sua conduta para com o próximo. «Não cometerás injustiças nos julgamentos. Não favorecerás o pobre, nem serás complacente para com os poderosos. Julgarás o teu próximo com imparcialidade» (Lv 19, 15). «Senhores, dai aos vossos escravos o que é justo e equitativo, considerando que também vós tendes um Senhor no céu» (Cl 4, 1).

Catecismo da Igreja Católica, 1807

Oração Inicial

Pres.: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Pres.: O nosso auxílio é o nome do Senhor.

Todos: Que fez o céu a terra.

 

Pres.: Vamos acender a segunda vela de nossa coroa. O Senhor está cada vez mais próximo de nós e devemos nos preparar dignamente para recebê-lo em nossos corações. Façamos um momento de silêncio para elevar nossa oração ao Senhor.

 

Canto para acender a primeira vela

 

A segunda vela acessa vem a vida clarear.
Rejeitemos, pois, as trevas, é Jesus quem vai chegar.

 

No advento a tua vinda nós queremos preparar.
Vem, Senhor, que é Teu Natal, vem nascer em nosso lar. (Bis).

 

Oração

 

Leitor: Pedimos-Te, Senhor, que ajudes a não nos afastarmos de Ti pelas coisas materiais, as pressas, os presentes.

Todos: Pedimos-Te que nos ajudeis a viver próximos a Ti nestes dias e sempre.

Leitor: Damos graças Senhor por nos mandar a Seu Filho a nos salvar e pedimos ajuda para preparar nosso coração para Sua vinda. Especialmente pela virtude da justiça.

Todos: Bendito seja Deus para sempre. Amém.

 

Preparação para o Evangelho

 

João Batista surge na esteira dos profetas. Assim tem início a sua missão num contexto histórico, é verdade, mas uma missão que transcende tal contexto: trata-se do precursor da entronização do Eterno no tempo e sua obra de redenção da humanidade. Por isso do deserto se dirigirá para o Jordão e dali sua pregação ressoará inclusive nos palácios das autoridades em Israel.

 

Evangelho (Lc 3,1-6)

 

1No décimo quinto ano do império de Tibério César, quando Pôncio Pilatos era governador da Judeia, Herodes administrava a Galileia, seu irmão Filipe, as regiões da Itureia e Traconítide, e Lisânias a Abilene; 2quando Anás e Caifás eram sumos sacerdotes, foi então que a palavra de Deus foi dirigida a João, o filho de Zacarias, no deserto. 3E ele percorreu toda a região do Jordão, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados,4como está escrito no Livro das palavras do profeta Isaías: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: ‘preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas. 5Todo vale será aterrado, toda montanha e colina serão rebaixadas; as passagens tortuosas ficarão retas e os caminhos acidentados serão aplainados. 6E todas as pessoas verão a salvação de Deus’”.

 

Meditação: Um dever de justiça: Preparai o caminho do Senhor.

 

O batismo de João é de penitência, o de Cristo, para a remissão dos pecados. O primeiro prepara para a graça que será concedida e efusivamente no segundo. “Os persuadia a fazer penitência para que pudessem alcançar com mais facilidade o perdão subsequente, crendo em Jesus Cristo” (São João Crisóstomo. Homiliae in Mattaeum. Hom. 10). Pois, “São João como tipo da Lei, podia denunciar o pecado, mas não perdoá-lo” (apud. São Tomás de Aquino. Catena Aurea). Deste modo, Deus realiza Sua justiça dando o que é próprio do Seu Ser dar ao homem o perdão e a graça. O homem deve, de sua parte, realizar a justiça para com Deus dando-Lhe o que é direito Dele receber e o que é dever do homem dar-lhe. Por isso diz “preparai o caminho do Senhor”.

A virtude da justiça é assim definida por São Tomás de Aquino: “consiste na disposição consciente, duradoura e irrevogável da vontade, mediante a qual se dá a cada um tudo o que lhe pertence” (Suma Teológica. II-II. q. 58. a.1). Anexa a virtude da justiça está a virtude de religião que abrange todos os deveres para com Deus (q. 80. a. 1). É assim chamada porque constitui o vínculo que deve ligar o homem com Deus (q. 81. a. 1-5) e converte a vida do homem em um ato de culto permanente (q. 81. a. 7-8). São Tomás resume os atos de religião na santidade, diz ele, “porque é santo o homem cuja vida de transforma num ato de religião” (q. 81, a. 8).

A justiça para com Deus é uma resposta de fé e amor do homem a justiça que Deus realizou para com ele. A indicação de como o homem deve realizar a justiça para com Deus está mais que apontada pelas Escrituras e pela pedagogia com a qual a Igreja as insere nesta liturgia: conversão, penitência, devoção e oração.

 

Propósito para o Natal

 

           Escolher um ato de justiça para com Deus e vivenciá-lo como preparação para o Natal.

 

Oração final

 

Pres.: Concedei, Deus Onipotente e Misericordioso, que os cuidados deste mundo não sejam obstáculo para caminharmos generosamente ao encontro de Cristo, mas que a sabedoria do alto nos leve a participar no esplendor da sua glória. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Todos: Amém.

 

Oração à Nossa Senhora

 

Leitor: Doce Virgem Maria, cujo coração foi por Deus preparado para morada do Verbo feito carne pelas inefáveis alegrias da expectação de vosso santíssimo parto, ensinai-nos as disposições perfeitas de uma íntegra pureza no corpo e na alma, de uma humildade profunda no espírito e no coração, de um ardente e sincero desejo de união com Deus, para que o meigo fruto de vossas benditas entranhas, venha a nascer misericordiosamente em nossos corações, a eles trazendo a abundância dos dons divinos, para redenção dos nossos pecados, santificação de nossa vida e obtenção de nossa coroa no Paraíso, em vossa companhia. Assim seja.  Amém.

Pres.: Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo.

Todos: Amém.

Pres.: Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

Todos: Para sempre seja louvado!