4º Domingo do Advento

 

Fortaleza: subir apressadamente, não obstante os sacrifícios

 

A Virtude da Fortaleza

 

A fortaleza é a virtude moral que, no meio das dificuldades, assegura a firmeza e a constância na prossecução do bem. Torna firme a decisão de resistir às tentações e de superar os obstáculos na vida moral. A virtude da fortaleza dá capacidade para vencer o medo, mesmo da morte, e enfrentar a provação e as perseguições. Dispõe a ir até à renúncia e ao sacrifício da própria vida, na defesa duma causa justa. «O Senhor é a minha fortaleza e a minha glória» (Sl 118, 14). «No mundo haveis de sofrer tribulações: mas tende coragem! Eu venci o mundo!» (Jo 16, 33).

Catecismo da Igreja Católica, 1808

Oração Inicial

Pres.: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Pres.: O nosso auxílio é o nome do Senhor.

Todos: Que fez o céu a terra.

Pres.: Alegremo-nos porque o Senhor está perto de nós e vem trazer a reconciliação. Acenderemos a quarta e última vela de nossa coroa. Que este símbolo nos recorde a proximidade da vinda do Senhor Jesus, que vem a nos trazer alegria e esperança. Meditemos e peçamos a virtude da fortaleza.

 

Canto para acender a primeira vela

 

Eis a luz da quarta vela, um clarão se faz brilhar.
Bate forte o coração, é Jesus quem vai chegar.

 

No advento a tua vinda nós queremos preparar.
Vem, Senhor, que é Teu Natal, vem nascer em nosso lar. (Bis).

 

Oração

 

Leitor: Senhor, pedimos que nos ajude a estar sempre dispostos a dar um "sim" ao que nos peça em nossas vidas.

Todos: Pedimos-Te, Senhor.

Leitor: Damos graças, Senhor, por ter enviado seu Filho a nos salvar e por nos dar uma Mãe no Céu. A quem suplicamos por intercessão a virtude da fortaleza.

Todos: Bendito seja Deus para sempre. Amém.

 

Preparação para o Evangelho

 

A vida do homem sobre a terra é feita de sacrifícios, desde o dia que nasce até a morte. Uns mais, outros menos, se é possível medir o sacrifício, mas a verdade é que mais cedo ou mais tarde todo homem será chamado a fazer ou passar por sacrifícios. Mas como enfrentar e abraçar o que somos muitos mais propensos a evitar e querer fugir e ainda sim tirar algum benefício? As adversidades podem nos levar ao encontro do Salvador?

O que haveria de fazer uma jovem, como era Nossa Senhora àquela altura, atravessando o deserto desde Nazaré até Ain Karin, e correndo riscos, além do desgaste físico pelo cansaço da viagem e das intempéries próprias daquela região, indo ao encontro do ancião casal São Zacarias e Santa Isabel? A explicação mais comum é a do serviço à parenta por quem certamente nutria grande consideração e afeto. Porém seria muito pouco satisfatória se tratando da Virgem Maria e tudo que a movia. Haveria então outras razões para a visitação? O que nos mostra a Virgem Maria às vésperas do Natal de Nosso Senhor tomando a atitude de empreender tal viagem?

 

Evangelho (Lc 1,39-45)

 

39Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Com um grande grito exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.

 

Meditação: Fortaleza: Subir apressadamente, não obstante os sacrifícios.

 

Tal disposição da Virgem em fazer perfeitamente a vontade de Deus teve origem na mais perfeita virtude da fé e da contemplação, assim ela foi capaz de superar, remover os obstáculos e não temer os perigos da viagem pelo deserto pelo desejo de agradar a Deus fazendo a Sua vontade. O que era sacrifício transformou-se em júbilo e gozo, como diz Santo Ambrósio: “Cheia já totalmente de Deus, para onde havia de se dirigir senão para as alturas? A graça do Espírito Santo ignora a lentidão. Depressa se manifestam os benefícios da chegada de Maria e da presença do Senhor, pois logo que Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino exultou de alegria no seu seio e Isabel ficou cheia do Espírito Santo”.

O segundo elogio de Isabel a Maria “bem-aventurada aquela que acreditou” deixa patente que Maria não vai verificar o sinal, mas ali chega confiando no cumprimento da promessa. Maria Santíssima nunca vacilou na fé (Catecismo da Igreja Católica, 149). Assim podemos dizer que a fé é o motor da fortaleza e a humildade o seu regulador.

Aquele deserto atravessado e aquela montanha subida era sinal de um deserto da alma e de uma outra montanha, assim como o serviço prestado a Isabel seria sinal de um outro muito maior prestado também em razão da fé, esperança e caridade à toda humanidade: todos e cada evento da Paixão até o sacrifício mortal do Calvário, onde todas as virtudes são elevadas a um altíssimo grau, onde a fortaleza de Maria Santíssima tendo sido cada vez maior e mais intensa durante toda sua vida, dará ali supremo testemunho de segurança, firmeza e constância, vencerá o medo, inclusive da morte e suportará as provações e perseguições ali sumamente intensificadas. A Visitação era uma seta que apontava a direção que seguiria a Virgem Maria dando testemunho cada vez mais abrasado da fortaleza.

 

Propósito para o Natal

 

Rezar pedindo a Nossa Senhora a virtude da fortaleza, especialmente para os tempos que estamos vivendo no qual os cristãos são cada vez mais perseguidos.

 

Oração final

 

Pres.: Infundi, Senhor, a vossa graça em nossas almas, para que nós, que pela anunciação do Anjo conhecemos a encarnação de Cristo vosso Filho, pela sua paixão e morte na cruz alcancemos a glória da ressurreição. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Todos: Amém.

 

Oração à Nossa Senhora

 

Leitor: Doce Virgem Maria, cujo coração foi por Deus preparado para morada do Verbo feito carne pelas inefáveis alegrias da expectação de vosso santíssimo parto, ensinai-nos as disposições perfeitas de uma íntegra pureza no corpo e na alma, de uma humildade profunda no espírito e no coração, de um ardente e sincero desejo de união com Deus, para que o meigo fruto de vossas benditas entranhas, venha a nascer misericordiosamente em nossos corações, a eles trazendo a abundância dos dons divinos, para redenção dos nossos pecados, santificação de nossa vida e obtenção de nossa coroa no Paraíso, em vossa companhia. Assim seja.  Amém.

Pres.: Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo.

Todos: Amém.

Pres.: Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

Todos: Para sempre seja louvado!