Notas de rodapé matéria Pe. Alexandre L. Alessio, CR

Boletim Bento XVI

Título da Matéria:

O Educador Católico - perfil e ação

[1] “É, sobretudo, na família cristã, ornada da graça e do dever do sacramento do Matrimônio, que devem ser ensinados os filhos desde os primeiros anos, segundo a fé recebida no batismo a conhecer e adorar a Deus e a amar o próximo”(...). “O dever de educar que pertence primariamente à família, precisa da ajuda de toda a sociedade” (GE 3).

[2] GE 5.

[3] O leigo católico, 16.

[4] Cf GE 8; Paulo VI, 1971.

[5] Cf EC 71.

[6] “O homem contemporâneo escuta com melhor boa vontade as testemunhas do que os mestres, (...) ou então se escuta os mestres, é porque eles são testemunhas” (Paulo VI. Exortação Apóstólica Evangelii Nuntiandi, 41).

[7] Seria uma ruína para qualquer instituição educacional onde em sala de aula o professor ensinasse as virtudes e nos corredores ou no pátio os alunos encontrasse algum profissional que contradissesse com o mínimo ato o que apenas fora ensinado. E isto vai desde um escândalo propriamente dito, mas também o serviço desempenhado com desleixo.

[8] Pio X. Apud. CHAUTARD. J.B.

[9] A respeito das principais virtudes do educador católico, escreveu São José de Calasanz, Pai da Pedagogia Pós-Tridentina: "É preciso terem muita caridade, a máxima paciência, e, sobretudo, profunda humildade aqueles que assumem este ofício que exige cuidado contínuo" (Dos escritos. Apud. Liturgia das Horas. 25 de agosto).

[10] Cf CHAUTARD. p. 11.

[11] Cf Cân. 803. Por esta razão a Profissão de Fé (Credo Niceno-Constantinopolitano) será recitada todos os dias antes do início das atividades escolares e de cada evento escolar extracurricular: para expressar a comunhão com as verdades eternas de fé as quais conhecemos através da Igreja; depois de que, tendo-as fixadas no coração e na mente, expô-las serenamente, mas com muita convicção ao mundo.

[12] CHAUTARD. p. 43.

[13] CHAUTARD. p. 103.

[14] BENTO XVI. Audiência Geral. 07.X.09.