Papa a consagrados: a vocação é um compromisso, não uma fuga do mundo

Escutar e acolher o chamado de Cristo é um compromisso real e concreto para a construção do Reino de Deus e não uma emoção do momento, comentou o Papa Francisco em sua mensagem para a 52ª Jornada Mundial de Oração pelas Vocações que será realizada no dia 26 de Abril, quarto domingo de Páscoa, com o lema “O êxodo, experiência fundamental da vocação”.

religiosaamericanFlickerNewJersey.jpg

Uma religiosa na beatificação da Irmã Miriam Teresa Demjanovich na Sacred Heart Cathedral, Newark, N.J. no dia 04 de Outubro de 2014. Credit: Jeffrey Bruno via Flickr (CC BY-NC-ND 2.0).

Em sua mensagem, o Santo Padre informou que esta jornada se celebra há 50 anos com a finalidade de recordar-nos “a importância de rezar para que, como disse Jesus a seus discípulos, ‘o dono da colheita… mande operários a sua colheita”.


“Jesus –explicou o Papa Francisco–, nos deixou este mandamento durante um envio missionário: além dos doze apóstolos, chamou outros setenta e dois discípulos e os mandou de dois em dois para a missão.


Efetivamente, se a Igreja ‘for missionária por sua natureza, a vocação cristã nasce necessariamente dentro de uma experiência de missão”.


Nesse sentido, disse que “seguir a voz de Jesus Bom Pastor” significa aceitar “que o Espírito Santo nos conduza neste dinamismo missionário, suscitando em nós o desejo e a determinação gozosa de entregar nossa vida e gastá-la pelo Reino de Deus”.


O Papa explicou que entregar a própria vida em atitude missionária “só será possível se somos capazes de sair de nós mesmos”, como um “êxodo”.


A narração do êxodo do povo do Israel “representa uma parábola da história da salvação, e também da dinâmica fundamental da fé cristã.


De fato, passar da escravidão do homem velho à vida nova em Cristo é a obra redentora que se realiza em nós mediante a fé”.


“Este passo é um verdadeiro e real ‘êxodo’, é o caminho da alma cristã e de toda a Igreja, é uma orientação decisiva da existência para o Pai”, indicou.


Francisco assinalou em sua mensagem que “na raiz de toda vocação cristã se encontra este movimento fundamental da experiência de fé: acreditar quer dizer renunciar a nós mesmos, sair da comodidade e rigidez do próprio eu para centrar nossa vida em Jesus Cristo; abandonar, como Abraão, a própria terra e sair em caminho com confiança, sabendo que Deus indicará o caminho para a terra nova”.


“Esta ‘saída não deve ser entendida como um desprezo da própria vida, do próprio modo de sentir as coisas, da própria humanidade; justamente o contrário, quem empreende o caminho seguindo a Cristo encontra uma vida em abundância, ficando a disposição total de Deus e do Seu reino´”, afirmou.


Nesse sentido, disse que a vocação cristã é uma chamada de amor. “A experiência do êxodo é paradigma da vida cristã, em particular de quem segue uma vocação de especial dedicação a serviço do Evangelho”. “Responder à chamada de Deus, portanto, é deixar que ele nos impulsione a sair da nossa falsa estabilidade para nos pôr em caminho para Jesus Cristo, princípio e fim de nossa vida e de nossa felicidade”.


Francisco disse que “escutar e acolher a chamada do Senhor não é uma questão privada ou intimista que possa confundir-se com a emoção do momento; é um compromisso concreto, real e total, que mexe com toda nossa existência, colocando-a a serviço da construção do Reino de Deus na terra”.


“Por isso, a vocação cristã, radicada na contemplação do coração do Pai, nos leva ao compromisso solidário em favor da liberação dos irmãos, especialmente dos mais pobres.


O discípulo de Jesus tem o coração aberto ao horizonte sem limites, a sua intimidade com o Senhor nunca é uma fuga da vida e do mundo, pelo contrário, ‘essencialmente se configura como comunhão missionária’, acrescentou o Papa.


O Papa exortou os jovens a responderem ao chamado vocacional pois “esta dinâmica do êxodo, para Deus e para o homem, enche a vida de alegria e de sentido pleno”.


“Às vezes as incógnitas, as preocupações pelo futuro e as inseguranças de cada dia ameaçam a nossa vida, paralisando o seu entusiasmo, nos leva a deixar de sonhar, inclusive pensar que não vale a pena comprometer-se e que o Deus da fé cristã limita sua liberdade.


Portanto queridos jovens, não tenham medo de sair de vocês mesmos e a sair em caminho. O Evangelho é a Palavra que liberta, transforma e faz mais a nossa vida mais bela”.


“Que bom é deixar-se surpreender pela chamada de Deus, acolher sua Palavra, dirigir os passos da nossa vida seguindo as pegadas de Jesus, na adoração ao mistério divino e na entrega generosa aos outros. A vida seria mais verdadeira e mais alegre cada dia”, assegurou.


O Pontífice culminou sua mensagem recordando que Santa Maria é o modelo de toda vocação, pois “não teve medo a dizer seu 'fiat' à chamada do Senhor”.


“A Ela nos dirigimos para que nos ajude a estar plenamente disponíveis ao plano de Deus para cada um de nós, para que cresça em nós o desejo de sair e ir, com prontidão, ao encontro de outros. Que a Virgem Mãe nos proteja e interceda por todos nós”, concluiu.


VATICANO, 14 Abr. 15 / 04:54 pm (ACI).

#espiritosanto #santidade #Papa

Posts em Destaque