Pastoral Familiar

 

 

 

 

 

 

 

Coordenação: Marciano e Rose

 

A Pastoral Familiar é o esforço pastoral da Igreja visando não só defender e promover o respeito à dignidade da família, seus direitos e deveres, mas também chamar a atenção para a importância e centralidade da família como o principal recurso para a pessoa, para a sociedade e para a Igreja.



Resumidamente, os objetivos da Pastoral Familiar consistem, inicialmente, na preparação dos candidatos para a vida matrimonial e familiar, bem como na evangelização e promoção humana, social e espiritual das famílias já constituídas.



A Pastoral Familiar parte da família real para a família do possível, sem perder de vista a proposta da família ideal, que é a família cristã, gerada a partir do sacramento do matrimônio e vivendo em forte unidade, harmonia e na gratuita e generosa solidariedade.



O documento de Santo Domingo falou da “prioridade e centralidade da pastoral familiar na Igreja diocesana” (n.º 222). O Papa João Paulo II assim falou aos Bispos do Brasil: “em cada diocese – vasta ou pequena rica ou pobre, dotada ou não de clero – o Bispo estará agindo com sabedoria pastoral, estará fazendo investimento altamente compensador, estará construindo, em médio prazo, a sua Igreja particular, à medida que der o máximo a uma Pastoral Familiar efetiva”.



Diríamos que a organização da Pastoral Familiar, em nível diocesano ou paroquial, não é uma opção, é uma obrigação.

Grandes desafios

O agente da Pastoral Familiar, enriquecido pelo magistério da Igreja, que lhe coloca em mãos quatro grandes documentos: Familiaris Consortio, Carta às Famílias, Evangelho da Vida e o Diretório da Pastoral Familiar, sabe que, sobretudo em nossa atual e global modernidade, precisa encarar três grandes desafios que constituem um verdadeiro programa de vida.



Ele se propõe a defender e a promover três colunas vitais:



• a dignidade da pessoa humana;

 

• o sacramento do matrimônio e

 

• a inviolabilidade da vida e da família.



Assim como os dogmas estão para a fé católica, estes três pilares estão para a prática cristã dos agentes da Pastoral Familiar que, conforme afirma o Diretório da Pastoral Familiar, são: o bispo, o sacerdote, os religiosos(as), os leigos(as) que se dedicam a esta prioritária tarefa da Igreja.

Esta pastoral está aberta aos casais, como também aos filhos. Os casais que vivem em situação irregular perante a Igreja, ou seja, que não receberam o sacramento do matrimônio e não são impedidos para tal, podem participar, inclusive para ali receberem a oportunidade de se regularizarem o quanto antes. Mesmo os casais que se encontram em segunda união, podem participar nos grupos e encontros, visando entender melhor sua forma de pertença à Igreja a partir dessa realidade.



Os interessados em participar desta pastoral devem apresentar-se ao coordenador, ou mesmo deixar seu nome e contato no escritório paroquial.